Lombalgia

Lombalgia
23.03.2020

Lombalgia

A lombalgia é uma designação técnica dada para uma dor que se situa na região lombar, ou seja, uma dor ou desconforto localizada abaixo da margem das últimas costelas (margem costal) e acima das linhas glúteas inferiores com ou sem dor ao longo dos membros inferiores.

A dor lombar é um problema grave de saúde pública, sendo a primeira causa de incapacidade em adultos com menos de 45 anos e a segunda na população entre os 45 e 65 anos. Em Portugal estima-se que 36% da população adulta sofre de lombalgia, sendo que, 40% dessa população sofrerá de dor lombar crónica. Esta última afeta entre 5,9% e 19,9% da sua população.

Relativamente à ocorrência de lombalgia no desporto

Relativamente à ocorrência de lombalgia no desporto, a prática de ginástica, golfe, natação, halterofilismo, remo e futebol americano são aqueles que apresentam um risco maior de desenvolvimento de dor lombar. Na ginástica por exemplo, a incidência de lesões na região lombar é de 11%, sendo que, no golfe 19% das lesões envolvem lesões no pescoço ou na região lombar. Importa ainda referir, que o estiramento muscular na região lombar, é a causa mais comum da lesão nestes atletas.

Estudos epidemiológicos realizados em Portugal referem que, a prevalência de dor lombar é menor (26,1%) em indivíduos que praticam atividade física pelo menos um dia por semana quando comparados a indivíduos mais sedentários.

O conhecimento sobre os fatores associados à dor lombar são cruciais para uma melhor definição de estratégias de intervenção, de forma a reduzir o impacto da dor no dia-a-dia da população e com isso melhorar a qualidade de vida e o bem-estar de quem sofre diariamente com esse sintoma.

Segundo Hayshi Yasufumi (2004), as principais causas de lombalgia são:

  • Traumática: ocorre quando somos sujeitos a uma força externa brusca (estiramento), como quando pegamos em objetos pesados ou quando a região lombar sofre um impacto forte (exemplo: num acidente de carro). Adicionamelmente, movimentos cíclicos realizados de forma constante podem provocar traumas repetitivos na região lombar. Com o decorrer do tempo, estes traumas podem evoluir para lombalgias crónicas ou hérnias discais;
  • Inflamatória:
    • Espondilite Anquilosante - Doença inflamatória crónica que afeta as articulações da coluna e, devido a um aumento de rigidez articular, leva a perda progressiva da flexibilidade da coluna vertebral;
    • Infeção.
  • Tumoral
  • Degenerativa
  • Outrascausas como:
    • Patologias abdominais (doenças hepáticas, renais, entre outros)
    • Psicológicas, como stress ou depressão.

A lombalgia pode ser classificada em 3 tipos:

  • Aguda – ocorrência de um episódio de dor lombar com duração inferior a 6 semanas;
  • Sub-aguda – ocorrência de um episódio de dor lombar com duração entre 6 e as 12 semanas;
  • Crónica – ocorrência de um episódio de dor lombar com duração de 12 ou mais semanas.

No que remete a lombalgia aguda, havendo agravamento do quadro de dor ao longo do tempo ou persistência da mesma durante mais de 6 semanas (lombalgia sub-aguda), poderá ser necessário realizar um exame complementar de diagnóstico de forma a identificar a existência de alguma patologia concomitante.

Esses meios complementares de diagnóstico podem passar por uma radiografia, de forma a identificar alguma situação traumática ou infeciosa/inflamatória, ou ainda, a realização de uma ressonância magnética de forma a poder identificar a existência de alguma hérnia discal ou estenose vertebral.

De forma a poder reverter o quadro de dor e incapacidade funcional provocado pela lombalgia, será importante realizar tratamentos de fisioterapia para debelar a lesão.

Segundo French SD et al (2006), apesar de a evidência ser limitada, verifica-se que há maior indicação para a aplicação de calor no decorrer dos tratamentos, ao invés da aplicação de frio. Como tal, a aplicação de calor poderá ajudar no relaxamento de estruturas de forma a preparar o utente para a aplicação de técnicas de terapia manual.

De modo a prevenir recidivas, para além da aplicação de calor e realização de técnicas de terapia manual, será de grande importância a realização de exercícios corretivos, de forma a aumentar a mobilidade global do utente, assim como, a sua força muscular. Numa fase inicial, será de grande importância o reforço da musculatura estabilizadora da região lombar,de forma a preparar o utente para a realização de exercícios de maior dificuldade.
 

David Vale

Coordenador do Departamento de Fisioterapia Club Clínica das Conchas
Fisioterapeuta no Club Clínica das Conchas


Imagem: Designed by Shayne_ch13 / Freepik
 

Referências:

Almeida, D. C., & Kraychete, D. C. (2017, Abril). Dor lombar - uma abordagem diagnóstica. Revista Dor.
Arokoski, J. P., Valta, T., Airaksinen, O., & Kankaanpää, M. (2011, Agosto). Back and abdominal muscle function during stabilization exercises. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, pp. 1009-1050.
Aure, O. F., Nilsen, J. H., & Vasseljen, O. (2003). Manual Therapy and Exercise Therapy in PatientsWith Chronic Low Back Pain. Spine, 28, 525-532.
Campos, I., & Pinheiro, J. P. (2010, Março). Lombalgia no desporto. Revista Desportiva, pp. 18-20.
French, S. D., Cameron, M., Walker, B. F., Reggars, J. W., & Esterman, A. J. (2006, Abril 20). A Cochrane Review of Superficial Heat or Cold for Low Back Pain. Spine, pp. 998-1006.
Hayashi, Y. (2004). Classification, Diagnosis, andTreatment of Low Back Pain. JMAJ, pp. 227-233.
Kislaya, I., & Neto, M. (2017, Julho 27). Caracterização sociodemográfica da prevalência da dor lombar crónica autorreportada na população residente em Portugal através do Inquérito Nacional de Saúde 2014. Boletim Epidemiológico Observações, pp. 39-42.
Lizier, D. T., Perez, M. V., & Sakata, R. K. (2012, Novembro). Exercícios para Tratamento de Lombalgia Inespecífica. Revista Brasileira de Anestesiologia, pp. 842-846.
Petering, R. C., & Webb, C. (2011, Novembro). Treatment Options for Low Back Pain in Athletes. Sports Health, pp. 550-555.